voltar

Esclerose Múltipla
Publicado em 13/08/2021

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla

Trata-se de uma doença neurológica provocada por mecanismos inflamatórios e degenerativos que comprometem o sistema nervoso central. Nos portadores de esclerose múltipla as células imunológicas invertem seu papel: ao invés de protegerem o sistema de defesa do indivíduo, passam a agredi-lo, produzindo inflamações fazendo com que as funções coordenadas pelo cérebro, cerebelo, tronco encefálico e medula espinhal fiquem comprometidas.

Desta forma surgem os sintomas típicos da doença, como alterações na visão, na sensibilidade do corpo, no equilíbrio no controle esfincteriano e na força muscular dos membros com consequentemente redução da na mobilidade ou locomoção. 

                                             

Estima-se que no Brasil existem mais de 40.000 casos da doença, conforme a atualização da Federação Internacional de Esclerose Múltipla e Organização Mundial da Saúde.

A doença atinge geralmente pessoas jovens em média entre 20 e 40 anos de idade, predominando entre as mulheres e as causas envolvem predisposição genética e combinação com fatores ambientais, que funcionam como “gatilhos”:

Os sinais e sintomas mais comuns são:

  • Fadiga (fraqueza ou cansaço);
  • Sensitivas: parestesias (dormências ou formigamentos); nevralgia do trigêmeo (dor ou queimação na face);
  • Visuais: neurite óptica (visão borrada, mancha escura no centro da visão de um olho – escotoma – embaçamento ou perda visual), diplopia (visão dupla);
  • Motoras: perda da força muscular, dificuldade para andar, espasmos e rigidez muscular (espasticidade);
  • Ataxia: falta de coordenação dos movimentos ou para andar, tonturas e desequilíbrios;
  • Esfincterianas: dificuldade de controle da bexiga (retenção ou perda de urina) ou intestino;
  • Cognitivas: problemas de memória, de atenção, do processamento de informações (lentificação);
  • Mentais: alterações de humor, depressão e ansiedade.

Existe uma série de doenças inflamatórias e infecciosas que podem ter sintomas semelhantes ao da Esclerose Múltipla. O mais importante é integrar conhecimento médico e história de vida do paciente, além de realizar exames físicos, neurológicos e laboratoriais para auxiliar no diagnóstico. O diagnóstico ocorre através de exames específicos e o tratamento é medicamentoso e de reabilitação.

Diagnosticar a Esclerose Múltipla precocemente faz toda a diferença. Quanto mais cedo o tratamento é iniciado, maior a chance de modificar o curso natural da doença em longo prazo – reduzindo o número de surtos, de lesões e de sequelas neurológicas. ​

Fonte: https://www.einstein.br/doencas-sintomas/esclerose-multipla

https://www.abem.org.br/

Home
Home
Unisaúde
Unisaúde
Área da Empresa
Área da Empresa
Área do Prestador
Área do Prestador
Área do Beneficiário
Área do Beneficiário
Guia Médico
Guia Médico
Planos
Planos
Dúvidas
Dúvidas
Reajustes
Reajustes
Informativos
Informativos
Ouvidoria
Ouvidoria
Fale Conosco
Fale Conosco
Localizacão
Localização
 
Site Celular
Imagem

2021 © Associação Unisaúde Marau - Política de Privacidade